Serotonina: você provavelmente já ouviu falar dela, certo?

A fim de familiarizar nossos leitores sobre o assunto, começamos essa matéria explicando que a serotonina é um neurotransmissor (mensageiro químico do cérebro) responsável por promover a sensação de prazer e bem-estar em nosso organismo.

A serotonina, também conhecida como um dos 4 hormônios da felicidade – juntamente com a endorfina, oxitocina e dopamina – possui diversas funções em nosso organismo, entre elas, regularizar a temperatura do corpo, sono, humor, apetite, bem como, as funções cognitivas e atividades motoras.

A serotonina é produzida pelo cérebro através do aminoácido triptofano e da vitamina B3 – conhecida também como niacina. O corpo não produz triptofano, portanto, o consumo de alimentos ricos nesse aminoácido é de suma importância para a produção de serotonina e o aumento da nossa sensação de bem-estar.

Ok, então como saber se estou com déficit de produção de serotonina?

Pensando nisso, listamos alguns sintomas comuns para que você se atente:

Distúrbios de humor e irritabilidade

Como dissemos, a serotonina também é responsável pelo humor. No momento em que diagnosticamos que a transmissão está inadequada, entendemos porque nos sentirmos irritados, mal-humorados, ansiosos, impacientes, irritadiços e até propensos a chorar.

Sonolência

Cansaço, indisposição, preguiça e desânimo, além do que você costuma sentir normalmente, também pode ser um sinal da falta da serotonina em seu corpo.

Vontade de comer a toda a hora, especialmente doces

A relação entre saciedade e serotonina acontece em nosso hipotálamo. Em níveis normais de transmissão, o indivíduo se alimenta normalmente. Mas pessoas com transmissão abaixo da média acabam abusando de doces e massas para se sentirem satisfeitas.

Alteração do desejo sexual

Em excesso, a serotonina reduz a libido, e quando em falta, o hormônio acarreta em um aumento significativo do apetite sexual. 

Distúrbios de memória e de concentração

Falta de atenção, esquecimento repentino, perda de foco… todos esses sintomas, podem ser sinais da falta do hormônio no seu metabolismo.

Então, agora que já conhecemos os possíveis sinais de baixa produção de serotonina, que tal investirmos em alimentos e atitudes que revertam esse quadro e melhorem a nossa qualidade de vida e bem-estar?

Listamos uma porção de alimentos que colaboram para a produção de serotonina em seu corpo. Confira:

  • Origem animal: queijo, frango, peru, ovos e salmão;
  • Frutas: banana, abacate e abacaxi;
  • Vegetais e tubérculos: couve-flor, brócolis, batata, beterraba e ervilhas – confira como abusar dos vegetais em seu prato, aqui!
  • Frutas secas: nozes, amendoim, caju e castanha do Brasil;
  • Soja e derivados;
  • Algas: spirulina e algas marinhas;
  • Cacau.

Além de incluir em sua rotina alimentos que contenham boa quantidade de triptofano, alguns outros hábitos também ajudam no equilíbrio e, principalmente, na produção desse hormônio.

  1. Meditação: Comece aos poucos e até criar o hábito de se conectar cada vez mais com o presente, com o agora.
  2. Exercícios físicos: sobretudo, os aeróbicos como corrida, caminhadas, natação, são alguns bons exemplos…
  3. Ioga e respiração : Quer dicas de como iniciar a prática? Confira nossa matéria “Inspirar e respirar: os benefícios para a mente e corpo.”
  4. Banho de sol, preferencialmente, pela manhã para estimular a produção de vitamina D.
  5. Afeto: Primeiramente, reserve mais tempo para quem você ama e se sente bem e protegido.

Em conclusão, lembramos que o acompanhamento médico para um melhor diagnóstico é importante, afinal, cada organismo trabalha e reage de forma diferente aos estímulos.

Cuide de você, se atente aos detalhes do seu corpo e sobretudo melhore sua qualidade de vida!  

O que achou do post? Deixe aqui seu comentário. :)